EP 328: Não! Não Olhe! | Marte Um | Encontros

Boletim do Oscar traz os principais títulos cotados ao Oscar, já com primeiras impressões de Veneza e Telluride. Por falar em Oscar, o Brasil escolheu seu candidato e falamos sobre ele, além dos novos filmes de Jordan Peele e Hong Sang-soo

Filmes em Pauta: Não! Não Olhe! (Jordan Peele), Marte Um (Gabriel Martins), Encontros (Hong Sang-soo)

E Mais: Cantinho do Ouvinte com os comentários sobre o episódio anterior. Bom Podcast!

| Varandeiros |

Chico Fireman @filmesdochico
Cris Lumi @crislumi
Michel Simões @michelsimoes
Tiago Faria @superoito

| Cinema na Varanda nas redes sociais |

Facebook: facebook.com/cinemanavaranda
Twitter: @cinemanavaranda
Instagram: cinemanavaranda
e-mail: podcastcinemanavaranda@gmail.com
Anchor: anchor.fm/cinemanavaranda

*Gravado no sábado, 3 de setembro, via internet.

4 comentários sobre “EP 328: Não! Não Olhe! | Marte Um | Encontros

  1. Prezados varandeiros, quanto tempo…
    Continuo a ouvi-los, porém, de acordo com onque vou assistindo… tudo para não pegar spoiler. Vi Nope e, para mim, é o melhor filme do Peele. É o primeiro filme dele que a temática e a narrativa tornam-se orgânica e chegam, em determinados momentos, a empolgar (os demais, de modo especial o superestimado Nós, tem o tema pelo tema). Ainda que eu tenha gostado do filme, que parece ir de Sinais a Tubarão, parece-me que Peele não consegue, pelo menos a mim, criar a sensação de suspense e medo… Talvez eu esteja velho, talvez seja ele e sua direção.

    Abraços nos 4

    Curtir

  2. Eu juro que toda vez que o Tiago faz suas bravatas para defender o Sang soo me dá muita vontade de assistir só pra ver em que lado estou da briga, mas sempre bate a preguiça e justifico não assistir por não gostar de álcool, enfim. Queria botar o Tiago pra escrever meu currículo pq eu nunca vi ninguém defender alguém tão bem, Nicolas Cage fica até com inveja.

    Curtir

  3. Sob a superfície da trama, talvez a questão mais forte seja a da probelamtização do espetáculo. O trauma vivido pelo ex atro mirim e a forma como ele capitaliza a tragédia , a transformando em espetáculo rentável me fez pensar até que ponto o diretor não se debruçou sobre a sua prórpia filmografia e percebeu que também de alguma forma ele se apropria de um trauma histórico (o racismo, no caso) e o transforma também em espetáculo igualmente rentável através do cinema.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s