EP 303: A Menina que Matou os Pais | O Menino que Matou Meus Pais | No Ritmo do Coração

[Matou a Família e Não Foi ao Cinema]

As versões do caso Richthofen finalmente são lançados no Brasil: A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou Meus Pais acabaram saindo diretamente em streaming. A reconstituição de aspectos de um dos casos policiais que mais chocaram o Brasil… fica ou cai da varanda?

No Ritmo do Coração (30:10) foi sensação em Sundance 2021 e segue forte entre os favoritos para o próximo Oscar. Remake de um filme francês, e muito antenado com os movimentos de inclusão, o filme conta uma história sobre a paixão por cantar. Na tela, personagens surdos interpretados por atores surdos.

E mais: No Momento Belas Artes à La Carte recomendamos um clássico do Expressionismo Alemão. O Puxadinho da Varanda destaque para os filmes Oasis Knebworth 1996, Caminhos da Memória, a série McCartney 3, 2, 1, além dos festivais: CineBH e Festival de Cinema Russo. No Cantinho do Ouvinte, o Metavaranda dos Ouvintes e os comentários sobre o episódio anterior. Bom Podcast!

| Varandeiros |

Chico Fireman @filmesdochico
Cris Lumi @crislumi
Michel Simões @michelsimoes
Tiago Faria @superoito

| Cinema na Varanda nas redes sociais |

Facebook: facebook.com/cinemanavaranda
Twitter: @cinemanavaranda
Instagram: cinemanavaranda
e-mail: podcastcinemanavaranda@gmail.com
Anchor: anchor.fm/cinemanavaranda

*Gravado no domingo, 26 de setembro, via internet.

5 comentários sobre “EP 303: A Menina que Matou os Pais | O Menino que Matou Meus Pais | No Ritmo do Coração

  1. Olá Varandeiros, fico feliz em ser um ouvinte da geração z da varanda. Acho que eu consigo trazer outros pontos de vista sobre os filmes que vocês debatem.
    Sobre o filme da Carla Diaz, considero que o formato escolhido para a trama foi equivocado. Para mim funcionaria bem mais se fosse uma minissérie, parecido com The Affair, explorando os lados de vários personagens envolvidos e trazer uma maior riqueza de detalhes. Por exemplo, seria interessante mostrar o ponto de vista do irmão da Suzane e as consequências da morte dos pais dele e a eventual prisão da irmã. Outro ponto que vocês não mencionaram é justamente sobre o gênero true crime. No Brasil, ainda existem poucos filmes sobre essa temática, quando tem, na maioria das vezes são documentários. Acho que existem inúmeras possibilidades para esse gênero tão comum em Hollywood no cinema nacional. História não falta.
    Sobre Coda, ótimo filme sessão da tarde e a presença das minorias realmente é um diferencial. Sem contar que o elenco está perfeito, excetuando o professor do coral. A interpretação dele é caricata e estereotipada, fazendo aquele surrado papel de bicha má/gay carrasco. Tirando isso, adorei.

    Abraços.

    Curtir

  2. Olá, Varandeiros.
    Fiz questão de pular esses filmes da Carla Diaz, tenho títulos melhores e mais interessantes para consumir.
    Sobre CODA, achei um filme muito legal e simpático, mas tô com o Chico, muito exacerbado os elogios e os prêmios que vem recebendo.
    Prometo parar com as atualizações da minha saga e as perguntas sobre os diretores que tô acompanhando na minha saga, mas só queria finalizar dizendo ao Tiago que terminei a filmografia do Éric Rohmer essa semana, e tô completamente encantando com o cinema dele. O meu favorito acabou sendo O Joelho de Claire. Achei uma obra-prima irretocável.
    Abraços.

    Curtir

  3. Gente, e Scenes from a Marriage do Hagai Levi, estão assistindo?
    Algumas críticas me incomodaram cobrando uma semelhança com o original que acho que não precisa.
    Fui ver de coração aberto, achei o primeiro episódio bem bom, o segundo um pouco exagerado na segunda metade e o terceiro achei bom também. Tô curtindo, com destaque pra Jessica Chastain que tá com a atuação hipnotizante na minha opinião.
    O que vcs estão achando?

    Curtir

  4. Os filmes sobre o caso Richtofen parecem ter embarcado na triste onda do jornalismo declaratório e criaram o cinema declaratório. São dois filmes compostos por aspas, sem a menor vontade de deixar de ser isentões. Se fosse um produto jornalístico, já teria alguns problemas com essa escolha. Mas, no cinema, me parece pura preguiça. Não houve esforço algum pra criar soluções criativas de roteiro ou de linguagem, e a escolha por fazer dois filmes foi uma ideia que acabou não parando em pé.

    Tava com saudade de comentar por aqui, amigos. Sigo acompanhando o podcast regularmente. Abraços a todos!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s