EP 265 – Soul | O Amor de Sylvie

[Aqui Jazz 2021]

O Cinema na Varanda faz aniversário, já são cinco anos no ar.

Para essa celebração, com distanciamento social, nós recebemos Rafael Argemon para debater os dois filmes que ficaram de resquício das estreias do fim de 2020.

Ambos tem muito jazz em suas histórias. Soul (28:03) é a nova aposta da Pixar-Disney, um filme sobre o significado vida. Seria o filme mais adulto do estúdio? E também falamos de O Amor de Sylvie, um melodrama romântico que acompanha anos nas vidas de seus personagens.

No Momento Belas Artes à La Carte recomendamos um filme do cineasta polonês Jerzy Skolimovski. No Puxadinho da Varanda trazemos os filmes O Céu da Meia-noite e Ar-Condicionado e as séries The Mandalorian, May I Destroy You e Bridgerton. E, no Cantinho do Ouvinte, os comentários dos ouvintes sobre o episódio anterior. Bom Podcast!

| Varandeiros |

Chico Fireman @filmesdochico

Cris Lumi @crislumi
Michel Simões @michelsimoes
Tiago Faria @superoito

| Cinema na Varanda nas redes sociais |

Facebook: facebook.com/cinemanavaranda
Twitter: @cinemanavaranda
Instagram: cinemanavaranda
e-mail: podcastcinemanavaranda@gmail.com

Gravado na segunda, 4 de janeiro, via internet.

3 comentários sobre “EP 265 – Soul | O Amor de Sylvie

  1. Gente, como assim faltou “momento lagriminha” em Soul? Eu terminei o filme com os olhos suados e a voz embargada! Acho que Soul me emocionou muito por tocar em questões que têm sido fortes pra mim nos últimos anos. Tenho questionado a relevância do meu trabalho, o legado que estou deixando para meus filhos e até minhas virtudes e talentos. E Soul me deu um calorzinho no coração que veio bem a calhar na virada de um ano tão difícil pra todo mundo.

    Queria fazer um comentário atrasado sobre o filme que foi o meu preferido de 2020, Nunca Raramente Às Vezes Sempre. Uma outra camada de leitura que tive foi relacionada com a relação entre pais e filhos. Fiquei questionando em que momento os pais deixam de ser aquela presença fundamental e quase simbiótica na vida de uma criança e passam a ser pessoas de quem os filhos adolescentes escondem sentimentos e angústias. É uma pancada de filme, que dificilmente esquecerei.

    Também aproveito para perguntar, e me perdoem se vcs já comentaram a respeito em algum episódio que eu tenha perdido: vcs já viram a série High Fidelity? Comecei a ver e tô achando bem melhor que o filme! É um caminhão de fan services pra todos os gostos… hehehe

    Abraços e ótimo começo de ano a todos!

    Curtir

  2. Olá Varandeiros! Um feliz 2021 para vocês, que venha um ano melhor que 2020, e quem sabe com segurança para você voltarmos ao cinema.
    Sobre soul, achei um filme que não decide qual tom ele quer contar. Especialmente quando o Joe e a 22 estão de volta na terra, achei mal desenvolvido, talvez um pouquinho mais de filme teria produzido um conjunto melhor. Apesar de interessante eu achei a trilha sonora um pouco escondida para a proposta do filme.
    Aproveitando, vocês acham que o festival de Cannes será realizado neste ano?

    Curtir

  3. Oi Gente! Realmente acho o Soul uma animação para adultos, mas adorei pq “combinou” com o momento balanço de vida… mas de maneira mais leve e nem tão auto-ajuda. Agora Michel…aiaiai…. “se eu tivesse um travesseiro” qdo estava assistindo o Amor de Sylvie…q estória fraquiinha…e esse protagonista…tadinho, não sabia chorar, sentí vegonha alheia. Mas o vitual, ambientação e trilha são muitos boas!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s