EP 201: Top 5 Scorsese | O Rei da Comédia | Dicas para a Mostra de SP 2019

[Uma Varanda Pessoal com Martin Scorsese pelo Cinema Americano]

Martin Scorsese está de volta ao centro das discussões do mundo do cinema. Do estouro com as primeiras impressões com O Irlandês, e a proximidade da estreia do filme, até a polêmica com suas críticas aos recentes filmes de super-heróis e as referências em Coringa, o sucesso da temporada: por que os cinéfilos não param de falar sobre o diretor de Taxi Driver?

Os varandeiros não aguentaram a ansiedade e prepararam um episódio especial com o cinema de Martin Scorsese. Um raio-x da carreira, nossos favoritos em um Top 5 especial, e um papo sobre O Rei da Comédia. Corram para ver os filmes de Marty antes de apertar o play!

Mais: Boletim do Oscar, muitas dicas e expectativas de filmes na 43ª Mostra SP, Puxadinho da Varanda destacando Morto Não Fala e a Noite Amarela e o Cantinho do Ouvinte com comentários do episódio anterior. Bom podcast!

| Varandeiros |

Chico Fireman @filmesdochico

Cris Lumi @crislumi
Michel Simões @michelsimoes
Tiago Faria @superoito

| Cinema na Varanda nas redes sociais |

Facebook: facebook.com/cinemanavaranda
Twitter: @cinemanavaranda
Instagram: cinemanavaranda
e-mail: podcastcinemanavaranda@gmail.com

Gravado na segunda, 14 de outubro, na varanda do Michel.

15 comentários sobre “EP 201: Top 5 Scorsese | O Rei da Comédia | Dicas para a Mostra de SP 2019

  1. Reouvi o trecho de dicas dos Varandeiros e anotei pra procurar depois. Compartilho para facilitar a vida de nós

    ouvintes varandetes.

    Chico

    Sátántangó (Béla Tarr)
    (Vários do Olivier Assayas: Irma Vep; Clean, etc)

    So Long, My Son (Wang Xiaoshuai)
    Maggie (Lee Ok-seop)
    Casa (Letícia Simões)
    Diz a Ela que Me Viu Chorar (Maíra Bühler)
    Sete anos em Maio (Affonso Uchoa)
    Pacificado (Paxton Winters)
    O Projecionista (The Projectionist – Abel Ferrara)
    Family Romance, LLC (Werner Herzog)
    Dois Papas (The Two Popes – Fernando Meirelles)
    Technoboss (João Nicolau)

    Michel

    O Paraíso Deve Ser Aqui (It Must Be Heaven – Elia Suleiman)
    Monos (Intervenção Divina) [representante da Colômbia pro Oscar]
    O Farol (The Lighthouse – Robert Eggers)
    A Vida Invisível (Karim Ainouz)
    Wasp Network (Olivier Assayas)
    Amazing Grace (Sydney Pollack, Alan Elliott)
    Sinônimos (Synonyms – Nadav Lapid)
    Pertencer (Aidiyet – Burak Çevik)
    Papicha (Mounia Meddour Gens) [representante da Argélia pro Oscar]
    Honeyland (Ljubomir Stefanov, Tamara Kotevska) [representante da Macedônia pro Oscar]

    Curtir

      1. Opa, não por isso! Valeu Tiago.

        E só corrigindo, “Intervenção Divina” é o filme do Elia Suleiman, não é nome nacional do MONOS. Eu sei lá porque pus entre parenteses ali ¯\_(ツ)_/¯

        Curtir

  2. Mais um excelente episódio, senti falta de comentário sobre um filme em particular do Scorcese “ilha do medo”, acho a edição do filme muito boa. Acredito que o Scorcese “dos anos 2000” ainda será uma referência para os futuros cineastas, por transitar por gêneros e conseguir incorpora a tecnologia nos seus filmes. Por fim, adoro o Rei da Comédia , personagem do DeNiro sempre me assustou, um filme que ficou maior com o tempo.

    Curtir

  3. Excelente episódio! Apenas recentemente vi o “Rei da Comédia” e adorei. Sobre a cena do De Niro gritando com sua mãe, me lembrei de Psicose. A mãe nunca aparece, está sempre em outro cômodo e suas interferências apenas perturbam o protagonista. Acho que Scorsese fez essa relação para reforças, de forma sutil, a psicopatia do protagonista.
    Abraço e vejo vocês na Mostra!
    Rodrigo

    Curtir

  4. Olá varandeiros!
    Depois de escutar esse episódio tenho certeza que vcs vão amar o filme novo do Scorsese. No entanto, senti falta de vcs comentarem que ele na grande maioria de seus filmes, sempre foi um diretor muito masculinizado e branco, até mais que o Tarantino (já que vcs falaram da outra vez), deu pouquíssimas vozes à minorias e que na minha opinião de uns tempos pra cá anda se repetindo em seus temas ou na forma como faz seus filmes. A título de comparação, considero que o Spielberg conseguiu envelhecer e diversificar seus projetos bem mais que o Scorsese. Só para se ter uma ideia, o Spielberg, ano que vem, vai lançar um musical com um elenco composto praticamente de Latinos, enquanto o Scorsese está bem longe disso. Mesmo assim, ele continua sendo um dos maiores diretores americanos de todos os tempos.
    Abraços.

    Curtir

    1. Você fez me sentir um hétero babão agora, Luísa, rs. Acho interessante a discussão. Nesse aspecto de gênero, vejo mais complexidade no cinema do Scorsese do que no do Tarantino. Mas rende uma boa conversa. Vou puxar o assunto no Cantinho.
      Abraço!

      Curtir

  5. Gostei demais do programa. O CCBB fez este ano uma retrospectiva com todos os filmes do Scorsese tive a oportunidade de ver/rever vários filmes. Acho que pelo menos um dos documentários sobre cinema, o americano ou o italiano, teria lugar no meu top 5.

    Minha experiência com o diretor teve uma trajetória comum, comecei com Os Bons Companheiros e Cabo do Medo. Gostei tanto deste último que fui assistir os outros filmes, não entendi direito Taxi Driver com meus 14 para 15 anos, mas me apaxonei por Depois de Horas e O Rei da Comédia, e partir daí vi tudo dele.

    Na discussão sobre o Rei da Comédia vocês avaliam bem a premonição do diretor sobre a questão do culto a celebridade e o mundo cão do showbusiness, mas acho outro filme anterior, de 1976, com uma visão ainda mais devastadora sobre o tema Rede de Intrigas (the network) do Sidney Lumet.
    abs

    Curtir

    1. Belo filme, Rede de Intrigas. Também premonitório, eu acho. Mas O Rei da Comédia vai um pouco além. Consigo ver um filme bem realista de 2019 sobre uma adolescente que vai atrás da musa fit preferida que ela curte stalkear no Instagram. É a nossa realidade, simplesmente.
      Abraço.

      Curtir

  6. Pior que eu me lembro exatamente do meu primeiro contato com o cinema do Scorsese.
    Eu tinha na faixa dos 9 ou 10 anos e estava assistindo TV até tarde. Lembro que era tão ingênuo a ponto de não entender o conceito do Cine Belas-Artes do SBT, para mim era só mais uma faixa de filmes normal, e nesse tal dia decidi assistir o comecinho do filme que iria passar até dar sono e ir dormir. Acontece que o tal filme era Os Infiltrados e minha versão jovem não conseguiu ir dormir até finalmente ver o final, tamanho o frenesi da história (fato inédito até então).
    No outro dia na escola falei para todos meus amigos sobre o filme e passei batido.
    Só fui ter contato com o cinema de Scorsese de novo quando aos 18 levei minha namorada pra assistir O Lobo de Wall Street no cinema, sem ter a mínima ideia novamente do que se tratava afinal não me considerava cinéfilo na época. Quando finalmente passei a aprender mais sobre cinema fui pesquisar o Scorsese de Taxi Driver e Goodfellas, mas para sempre terei um carinho especial pelo Scorsese moderno.
    E sobre a questão de os novos filmes influenciarem novos diretores eu particularmente acho que filmes como The Big Short e Cães de Guerra são mais frutos da pegada pós 2000 mesmo, ou seja, já está acontecendo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s