EP 190: Ted Bundy – A Irresistível Face do Mal | Filmes de Serial Killers

[Assassinos por Natureza]

Os serial killers estão na Varanda. O filme em debate dessa semana é Ted Bundy: A irresistível Face do Mal (2:01), com Zac Efron na pele do assassino em série que confessou ter matado mais de 30 mulheres – e que causava fascínio na mídia dos anos 70, mesmo tendo sido acusado de tantos crimes hediondos. Há espaço na discussão para a minissérie da Netflix que traz fitas gravadas com depoimentos de Ted.

E aproveitamos para relembrar os principais serial killers (29:44) do cinema, de Hannibal Lecter a Norman Bates, em diferentes épocas, gêneros e nacionalidades. E fica a pergunta: há um encanto do cinema, e do público, por esse tipo de filmes?

O Puxadinho da Varanda (47:56)em mais variado do que nunca, de hashtags a podcasts, de festivais a filmes nacionais, até mesmo uma inesperada polêmica com O Quatrilho. Por quê? Você só vai saber ouvindo o episódio. E o Cantinho do Ouvinte com os comentários dos ouvintes. Bom podcast!

| Varandeiros |

Chico Fireman @filmesdochico

Cris Lumi @crislumi
Michel Simões @michelsimoes
Tiago Faria @superoito

| Cinema na Varanda nas redes sociais |

Facebook: facebook.com/cinemanavaranda
Twitter: @cinemanavaranda
Instagram: cinemanavaranda
e-mail: podcastcinemanavaranda@gmail.com

Gravado na segunda, 30 de julho, na varanda do Michel.

Anúncios

13 comentários sobre “EP 190: Ted Bundy – A Irresistível Face do Mal | Filmes de Serial Killers

    1. Fui pego de surpresa pela recomendação do Michel, por isso esqueci de dizer que esse filme representa uma estratégia do cinema brasileiro, muito em voga nos anos 90, para entrar no Oscar. É o grande exemplo (e talvez por isso tenha sido indicado, já que o Oscar era muito mais conservador na época): locações bonitas, fotografia vistosa, trama romântica de época com algum ‘tempero’ mais contemporâneo e totalmente inofensivo, clima de ‘cinema de arte para senhoras’, grife de produtores com bom acesso a Hollywood e por aí vai. Ainda bem que, de lá pra cá, muita coisa mudou no Oscar e no cinema brasileiro.

      Abraço!

      Curtir

  1. De tanto ouvir o podcast percebi uma camada oculta que faz com que ele seja não só o melhor podcast de cinema do Brasil, mas o melhor programa humorístico também. Ouçam o podcast em velocidade 0,5 e se divirtam. Ótimo episódio como sempre, grande abraço!!

    Curtir

  2. Quase isso, mas com um adicional incomparável que é Michel Simões defendendo seu guilty pleasure nacional com unhas e dentes, num tom blaze quase lírico, que aquece o coração

    Curtir

  3. O Quatrilho poderia entrar na categoria de serial killers por matar os espectadores de tédio. E a gente não pode esquecer do grande momento do tema serial killers na dramaturgia brasileira: As Noivas de Copacabana, com o Miguel Falabella interpretando um apresentador de Vídeo Show que mata mulheres.

    Curtir

  4. Me pareceu uma postura imatura as gargalhadas de galhofa e deboche a uma obra que não agradou ao autor das risadas. Fica aqui o registro sincero de um ouvinte de longa data, que entende a opinião sobre o filme, mas respeitavelmente discorda da forma infantil que ocorreu.

    Filme pior que O Quatrilho: Democracia em Vertigem, que manipulou fotos históricas apresentadas no “documentário”.
    https://piaui.folha.uol.com.br/memoria-desarmada/?fbclid=IwAR2fVjRYedTTctDikTsMnLAE48qp_usNYhzKnoUszxQK7bJsmS6KwN-pxjI

    Abraços !

    Curtir

    1. Entendo a reclamação, mas um ouvinte de longa data deveria saber que o podcast não tem nada de sisudo, certo? As opiniões e reações são livres (e sempre foram) e a atmosfera da conversa é descontraída (sempre foi).

      No mais, também não gosto de ‘Democracia em Vertigem’, mas acho ‘O Quatrilho’ muito pior.

      Abraço!

      Curtir

  5. Estou atrasado demais pra comentar sobre Dor e Glória? Morar longe dos grandes centros me fez ver o filme só agora, e já o considero o melhor do ano até aqui. Vcs mencionaram que o Almodóvar mostra que o processo de criação artística vem de momentos banais da vida. Pois bem, a cena de uma certa personagem pedindo pra ser enterrada com um rosário entre as mãos me tocou profundamente – perdi meu avô há alguns meses, e minha avó também colocou um terço entre as mãos dele no momento final. A conexão emocional que temos com os filmes de nossa vida também vem de momentos simples. Abraços!

    P.S.: todo mundo sabe que o melhor serial killer é o de Twin Peaks (não digo nomes pra não dar spoiler de 27 anos)

    Curtir

Deixe uma resposta para Lello Lopes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s