EP 189: O Rei Leão

[Que Rei Sou Eu?]

Quem chega rugindo esta semana no podcast é o remake de O Rei Leão (9:37), que já estreia como sucesso nas bilheterias, num formato de animação de trações muito realistas. É live action? Traz alguma novidade ou “apenas” uma atualização tecnológica do sucesso da Disney? E o que representa para os varandeiros o clássico lançado há 25 anos?

Aproveitamos para discutir as polêmicas possíveis mudanças na Ancine. E lançar a questão: há filmes desnecessários?

No Puxadinho da Varanda (59:10), a fase 4 do MCU e o filme de Taiwan Cities of Lost Things. Ainda temos o Puxadinho da Varanda, com os comentários dos ouvintes da semana anterior. Bom podcast!

| Metavaranda |

O Rei Leão | The Lion King | Jon Favreau | 49

| Varandeiros |

Chico Fireman @filmesdochico

Cris Lumi @crislumi
Michel Simões @michelsimoes
Tiago Faria @superoito

| Cinema na Varanda nas redes sociais |

Facebook: facebook.com/cinemanavaranda
Twitter: @cinemanavaranda
Instagram: cinemanavaranda
e-mail: podcastcinemanavaranda@gmail.com

Gravado na segunda, 22 de julho, na varanda do Michel.

4 comentários sobre “EP 189: O Rei Leão

  1. Bom dia/ tarde/ noite varandeiros. Sobre o “Rei Leão”, eu nunca nem gostei tanto da animação, que na época fez mais sucesso por 2 motivos: 1) a trilha sonora de Elton John e 2) Os coadjuvantes Timão e Pumba.

    Sobre os “filmes desnecessários”, discordo com o Chico. Pra mim não existe isso de filme desnecessário. Infelizmente vivemos em bolhas socio-culturais, e tomamos o mundo pelas nossas experiências. Imagine um filme maravilhoso (“Persona” de Bergman, por exemplo). Fazer um remake p/ nós seria além de desnecessário, uma blasfêmia. Mas um público que jamais sentará numa cadeira de cinema de arte, que os acessos limitados não permitem ver uma mostra de Bergman e tlvz nem saiba da existência deste filme não merece conhecer a obra nem que seja numa nova versão americana com estrelas de Hollywood como Cate Blanchet e Scarlett Johansson, passando numa sessão de cinema de um shopping? Pq não? Mesmo que num produto “inferior”, apenas o público tênis verde merece ter acesso a obra? Pra mim isso tem nome: elitismo. A arte deve ser compartilhada ao ponto de ser cotidiana e banal para todos e não um produto de luxo. Esperar que as pessoas “se virem” para conseguir acessar uma obra clássica de difícil acesso é o mesmo discurso de quem acha que pobres não crescem porque não estudam para chegar numa faculdade, mas não levam em consideração condições sociais.

    Adoro o podcast de vcs, principalmente qdo a Chris fala e participa das críticas. Já que alguns varandeiros que não quero nomear tem preconceito com séries, bem que a Lumi poderia ter um quadro fixo comentando séries ordinárias da Netflix, globoplay, BBC e tb reality shows, além das fofocas baratas que já são parte indispensável do podcast. Abraços a todos e continuem fazendo este podcast de qualidade.

    Curtir

  2. Confesso que me assustei um pouco quando vi que o episódio tinha 1h e o único filme da semana era O Rei Leão, mas fiquei muito contente ao ouvir as discussões sobre a ANCINE. É muito importante que esses assuntos sejam divulgados e gostaria de parabenizá-los por não terem medo de usar a plataforma do Cinema na Varanda para isso.

    Quanto ao Rei Leão, não tenho muito o que comentar pois quando fui ao cinema todas as sessões do dia estavam esgotadas, então acabei o vendo o “original” pela primeira vez esse fim de semana para poder acompanhar melhor o podcast. O roteiro é bem interessante, mas simples e enxuto, o que mais me encantou no filme foi a estética, então imagino que o filme de 2019 perde muito sem o visual colorido da animação. Depois de ouvir ao episódio me convenci de economizar o dinheiro para as estreias nacionais que estão por vir.

    Abraços!

    Curtir

  3. Olá Varandeiros, tudo bem?
    Acompanho o trabalho de vocês há mais de dois anos, mas esse é o meu primeiro comentário.
    Também fiquei decepcionado com o novo O Rei Leão e concordo com as observações de vocês. Contudo, acho que o realismo, por si só, não tirou as emoções dos personagens, mas sim as escolhas de Favreau. Penso em alguns filmes com animais reais, como A Grande Testemunha, que conseguiram, através da montagem, convencer o espectador sobre os “sentimentos” dos animais. O problema aqui, creio eu, foi a pouca originalidade do diretor, que se limitou em recriar os momentos da animação, sem se preocupar em realmente fazer uma adaptação. Parece que não levou em consideração o realismo que ele mesmo propôs e não explorou novas possibilidades de enquadramentos, montagem, mise-en-scene, etc.
    Por fim, queria ressaltar que não é só a Cris que está ansiosa pelo Yesterday.. na minha sessão de O Rei Leão passou, não uma, mas duas vezes SEGUIDAS o trailer do novo filme do Danny Boyle! Haha
    Abraços,
    Rodrigo

    Curtir

Deixe uma resposta para Nicholas Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s