EP 169: Querido Menino | Boy Erased | Todos Já Sabem

[CarnaVaranda 2019]

O Carnaval da Varanda é assim: uma Escola de Samba de filmes e temas polêmicos. Começando por Querido Menino (5:45) o filme esnobado pelo Oscar com Timothee Chalamet e Steve Carrel sobre a luta contra o vício de drogas. Outra relação problemática entre pais e filho está representada em Boy Erased (29:50). No caso, a família conservadora envia o filho para um programa de terapia com o objetivo de tentar “curar” sua homossexualidade.

E o diretor iraniano Asghar Farhadi vai à Espanha filmar Todos Já Sabem (55:58) com um grande elenco latino e muitos dilemas morais típicos de sua filmografia. Foi o filme que abriu a edição de Cannes 2018. Mas andou meio esquecido, não?

O Puxadinho da Varanda (1:15:05) destaca a polêmica da semana com as declarações de Steven Spielberg contra os filmes de streaming e sua participação nas indicações ao Oscar. Falamos também da série Umbrella Academy e do documentário espanhol O Silêncio dos Outros. No Cantinho do Ouvinte, as opiniões sobre a vitória polêmica de Green Book – O Guia e da derrota de Glenn Close no prêmio de Melhor Atriz. Bom Podcast!

Cinemateca da Varanda está com votação aberta. Participem!

| Metavaranda |

Querido MeninoBeautiful Boy | Felix Von Groeningen | 55
Boy Erased| Joel Edgerton| 46
Todos Já Sabem| Todos lo Saben | Asghar Farhadi| 37

| Varandeiros |

Chico Fireman @filmesdochico
Cris Lumi @crislumi
Michel Simões @michelsimoes
Tiago Faria @superoito

| Cinema na Varanda nas redes sociais |

Facebook: facebook.com/cinemanavaranda
Twitter: @cinemanavaranda
Instagram: cinemanavaranda
e-mail: podcastcinemanavaranda@gmail.com

Gravado na terça, 5 de março, na varanda do Michel.

Anúncios

7 comentários sobre “EP 169: Querido Menino | Boy Erased | Todos Já Sabem

  1. Olá Varanda! Nessas discussões se os filmes devem ou não serem reconhecidos e elegíveis a disputarem prêmios, as pessoas estão dando muito mais atenção a questões comerciais do que a capacidade, a criatividade, a inteligência e a genialidade dos profissionais envolvidos no desenvolvimento desses filmes. A discussão, pelo que me parece, não deveria ser somente pavimentada no âmbito da comercialização e distribuição. Não deveria a indústria do cinema está mais preocupada com a liberdade de seus profissionais em executarem uma grande ideia, ou de fazerem um bom filme, ou de descobrirem novas tecnologias, ou de terem a liberdade para desenvolver uma obra? Gostando ou não, a Netflix já nos deu ‘Roma’, ‘O Outro Lado do Vento’, ‘A Balada de Buster Scruggs’, ‘Twin Peaks’. Será que a indústria comercial teria interesse nessas histórias? Enfim, não quero aqui ser o advogado dessa plataforma, mas tenho que dizer que além desses filmes, a plataforma me permite acesso a muito conteúdo por um preço que eu posso pagar. A filmes que eu provavelmente só veria o cartaz como os recentes ‘Lazzaro Felice’ e ‘Velvet Buzzsaw’. E vamos combinar: o cinema é maravilhoso, todo mundo sabe disso e eu adoro, mas ultimamente para mim tem sido uma experiência muito ruim pagar uns R$ 30,00 reais e ficar em um sala lotada de pessoas um tanto mal-educadas preocupadas unicamente em conversarem ao longo do filme ou de ficarem nos seus celulares. Eu tenho aproveitado muito mais o filme quando o vejo em casa. Eu sei! Isso já é uma outra discussão. Um abraço!

    Curtir

    1. Eu também acredito que é tudo muito simples, Vitor. Quero ver bons filmes. Quanto mais filmes, melhor. Mas acho que o problema aí é com as convenções da indústria mesmo. Por que os filmes da HBO ficam confinados ao Emmy enquanto os da Netflix disputam o Oscar? A complexidade da discussão caminha um pouco por aí.

      Abraço!

      Curtir

      1. Também concordo com você. Não deveria ser proibido aos filmes se candidatarem aos prêmios sejam eles produzidos pela Amazon, HBO, Netflix ou qualquer outro tipo de plataforma. O problema é que em todas essas premiações existem regras que já moldaram uma boa parte da indústria. Quebrar essas regras é ampliar um conceito novo que talvez a própria indústria não queira e ainda se sinta insegura. No caso da HBO, como você citou, não posso opinar muito porque não sei se em algum momento passado dessas premiações ela reivindicou a indicação de seus filmes nessas premiações. Se você souber, por gentileza, me esclarece. Abraço!

        Curtir

  2. Oi, varandeiros!

    Nessa discussão Netflix vs. Cinema, vejo muita demagogia nos dois lados. Uns santificam a Netflix, outros idealizam o “cinema”. A meu ver, o que acontece é uma disputa comercial em vários níveis, com tintas estéticas mais ou menos apropriadas. Os exibidores na França e na Alemanha se preocupam, não sem razão, em serem engolidos por um monopólio internacional. Já a turma de Hollywood, representada no momento pelo Spielberg, quer mais é defender o seu próprio monopólio comercial e de prestígio. Mas enquanto a Netflix financia séries e filmes que valorizam a diversidade, a Amblin do Spielberg produz um Green Book e os grandes estúdios “excluem” os independentes do Oscar.

    Acho válida a resistência ao “monopólio” de distribuição dos grandes serviços de streaming (Netflix, Amazon, Disney), mas tampouco acho que o “monopólio” dos grandes estúdios tradicionais de Hollywood é solução. Idealmente, seria possível ter condições de competição justa entre streaming, distribuidoras e cinemas. Na prática, ninguém sabe onde isso vai parar, e uma discussão centrada nos privilégios da velha guarda só prejudica um debate sério sobre o modelo que gostaríamos de ter. Meu palpite mais forte é: se Spielberg e cia. batem o pé e restringem o Oscar, o Oscar diminui e continua a perder relevância. As gigantes do streaming não vão ser tão prejudicadas, especialmente com a Disney entrando no jogo.

    Abraço,

    Curtir

    1. “Acho válida a resistência ao “monopólio” de distribuição dos grandes serviços de streaming (Netflix, Amazon, Disney), mas tampouco acho que o “monopólio” dos grandes estúdios tradicionais de Hollywood é solução”.

      Sim. Concordo. É uma discussão que ainda precisa ser aberta. Do jeito que está, há impasse, mas sem interesse (de ambas as partes) de que se chegue a uma solução.

      Abraço!

      Curtir

  3. Discordo da opinião de vocês sobre “Todos Já Sabem”. Na minha opinião, a beleza do filme está na criação autêntica de Farhadi de uma realidade em que dinâmicas familiares, velhos amigos e relacionamentos desempenham um papel crítico.
    Bardem, Cruz e Darin são uma combinação formidável: cada um dos três personagens centrais é despojado emocionalmente à medida que camadas são removidas à medida que a dinâmica muda.
    Perto do final, há uma cena em que um carro passa por uma estrada de terra que serpenteia cada vez mais fundo na noite escura. A jornada do filme é um pouco assim. Sentimos como se estivéssemos nos aprofundando e aprofundando nas vidas e almas dos personagens, à medida que suas vulnerabilidades são expostas.
    Este é um filme assombroso que reverbera com verdades. O final é sutil e satisfatório, deixando-nos com a riqueza da nossa imaginação para completar as lacunas. Cinema soberbo e sensível.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s