Episódio 116: Oscar 2018 | Projeto Flórida

EP 116: A Forma do Oscar

Tudo sobre o Oscar 2018 (13:07): a participação, das mulheres e dos latinos, as melhores piadas, os injustiçados, os momentos tediosos… Para você que acompanhou toda a temporada do Oscar na Varanda, eis o ato final – com direito a perguntas enviadas pelos ouvintes do podcast.

Destacamos o ótimo filme Projeto Flórida (1:06:38), de Sean Baker, que acabou com apenas uma indicação da ator coadjuvante. A Varanda acredita que ele merecia outro destino.

E mais: Cantinho do Ouvinte e, entre as Recomendações, duas séries e o filme Golden Exits. Bom Podcast!

| Metavaranda |

Projeto Flórida | The Florida Project | Sean Baker | 80

| Varandeiros |

Chico Fireman @filmesdochico
Cris Lumi @crislumi
Michel Simões @michelsimoes
Tiago Faria @superoito

Gravado na segunda, 5 de março, na varanda do Michel.

Anúncios

14 comentários sobre “Episódio 116: Oscar 2018 | Projeto Flórida

  1. No filme Magnólia o mantra do personagem do Tom Cruise era “ The Cock”, seria ele um descendente da casa Woodcock? Existiria um universo compartilhado (PTAverse). Vou ligar agora pro Seu Jorge e marcar um papo de bar.

    Curtir

  2. Então, no final a Academia premiou o remake de Splash – Uma Sereia em Minha Vida. Fantasia, romance, comédia e rejeitados tudo reunido em um só filme. Coerente para a narrativa que o óscar quer passar para a posteridade. As pessoas podem até criticar a premiação, reclamar dos injustiçados, dizer que nunca mais vai assistir o Óscar, mas no final como diria MC MELODY: fale bem ou fale mal, mas falem de mim. Gostei. Que venha mais óscars assim, com mais representatividade, mais diversidade e mais mudanças para essa indústria que precisa honrar mais do que nunca suas origens e seus valores.

    Curtir

  3. Oie! Adorei a música no final do podcast ❤
    Sobre o Oscar: Realmente é maneiro A forma da água ter ganho, mas eu tava com tanta esperança pra Corra! que fiquei decepcionadinho. Achei a cerimônia bem sem graça. Vi depois de um festival, sob efeito de substâncias lícitas e ilícitas, e tinha CERTEZA que ia chorar a beça. Não caiu uma lágrima. Mas tudo valeu por 3 momentos bem especiais: as vitórias de Uma mulher fantástica, James Ivory e Jordan Peele. Vou aproveitar pra fazer uma pergunta: já temos algum filme exibido em Sundance ou Berlim que esteja no burburinho pra próxima temporada de premiações, a exemplo de Call Me By Your Name no ano passado?
    Sobre Projeto Flórida: foi o único filme que eu consegui ver no Festival do Rio ano passado e eu saí do cinema em êxtase. Filme que aborda uma questão super delicada de maneira muito humana e respeitosa, sem ser fatalista, sem julgar os personagens e sem aquele peso de denúncia panfletário estilo Eu, Daniel Blake que eu acho uó. To bem feliz que ele estreou em circuito pra poder revê-lo e colocá-lo na minha lista de melhores do ano. E sobre Brooklynn Prince: ainda não sei lidar com tanta fofura e talento.

    Abraços e até semana que vem!

    Curtir

    1. “Mas tudo valeu por 3 momentos bem especiais: as vitórias de Uma mulher fantástica, James Ivory e Jordan Peele”

      Sim, concordo. Pra mim, o melhor do Oscar foi isso. E bom saber que temos mais um fã de ‘Projeto Flórida’ aqui na Varanda. Comparei com Ken Loach, mas com os filmes dele que considero fortes. O ‘Eu, Daniel Blake’ não está entre eles, e aí acho que ele cai feio no erro do cinema panfletário.

      Abraço

      Curtir

  4. Quando vocês começaram a falar dos atores que sempre ganham com atuações “grandiosas”, lembrei demais de uma matéria que saiu na Vox sobre os “method actors”. A matéria explora como esses atores que fazem uma atuação física, ou que propõe uma preparação intensa (como ficar isolado no personagem por meses a fio) são historicamente valorizados nos Oscars. Além disso, a reportagem evidencia um potencial marqueteiro por trás, fazendo com que haja uma supervalorização dos atores como um mote para vender o filme tanto na bilheteria quanto para as premiações. Acho que o Tiago principalmente vai curtir bastante.

    Sobre o Florida Project, eu gostei demais do filme. Principalmente das escolhas estéticas do Sean Baker. Elenquei algumas:

    1 – A montagem e direção de Baker sempre apontam para um mesmo artificialismo delirante com a 35mm, tentando captar essa intensa dureza de viver na cidade dos sonhos realizados no meio da inospitez de um quarto semi-comunitário.

    2 – O heliponto próximo ao hotel traz um efeito sonoro e visual interessantemente diatônico: o barulho do voo durante conversas atrapalha o que já estava ruidoso e a imagem da decolagem como alegoria de um escape imediato dali persegue os personagens.

    3 – Existe um recurso de tomadas relativamente grandes que acho interessante. Beira ao tédio em alguns pontos, e eu acho que é por aí: essas crianças não estão se divertindo 100% no final das contas.

    4 – A cena no buffet do hotel de luxo a Moonie é filmada em close-up e revela uma mãe impotente perante a perda do seu bem maior. Todo o carisma e simpatia de Moonie são jogados à tela de propósito mesmo, para o espectador se encantar com toque melancólico uma última vez como a própria mãe.

    5 – A edição da cena da pré-fuga da Moonie é incrível. Sean Baker consegue mostrar como a filha tem um temperamento muito similar ao da mãe e toda essa histeria é reagida com uma impotência brutal que reflete no espectador. Em contraponto, o personagem do William Dafoe, o enérgico e ultraeficiente gerente, distrai-se com a situação que foge ao seu alcance e não consegue impedir a fuga da criança. No fim, Halley solta um grito de indignação sobre a incompetência generalizada enquanto ela era acusada de tal.

    Foi mal a empolgação no comentário. Abraços!!!

    Curtir

    1. Legal o vídeo, Davi. Acho que resume bem essa tradição do Oscar de valorizar a atuação que se vende como a mais intensa, a mais transformadora, a que quase levou o ator/a atriz ao limite etc. É verdade que isso acaba contando como parte do marketing do filme, sim. Pagaremos ingressos para ‘O Regresso’ também para ver as cenas que quase causaram a morte do DiCaprio (ou algo perigoso do gênero). Mas, com o passar do tempo, lembro mais do DiCaprio de ‘O Lobo de Wall Street’, por exemplo, que do DiCaprio largado e pelado na selva lutando pela sobrevivência. Para mim, é muito barulho para (em muitos casos) pouca atuação verdadeiramente forte.

      Sobre o Projeto Flórida: adorei os argumentos. A cena do buffet é maravilhosa mesmo, concordo.

      Abraço!

      Curtir

  5. Sobre o que o Michel levantou durante o programa sobre as mulheres não estarem enlouquecidas sobre as derrotas no domingo: calma, o feminismo tem bom senso também. Não acredito que alguém vai reclamar sobre a derrota da Rachel Morrison por exemplo, não queremos cotas nas premiações. Na minha opinião, Lady Bird não foi ‘esnobada’, simplesmente não ganhou. Uma pena a Varda ter perdido, mas pensando bem, talvez o Oscar honorário dela tenha até diminuído as chances dela, com aquele pensamento de ”já que ela tem um Oscar…”. E Tiago, tb acho que a apresentação do Gael foi irônica. abçs varandeiros.

    Curtir

    1. Maravilha. Acho que, na verdade, fiquei frustrado com a ausência do Lady Bird porque era um dos meus filmes preferidos na disputa. Mas senti falta, sim, de vê-lo no balanço final de premiados. Acho que teria rendido ao menos um momento de impacto na cerimônia.

      Abraço!

      Curtir

  6. Olá varandeiros! É um prazer poder ouvi-los semanalmente! Gostaria de deixar um comparativo que pode soar polêmico: será que poderíamos dizer que “Projeto Flórida” seria uma versão contemporânea e revisada de “a vida a bela”; comparo a mãe de Moonee ao personagem Guido(Roberto Benigni), ela tenta proporcionar a filha uma infância venturosa e divertida apesar de todas as tristes circunstâncias pelas quais precisa enfrentar e superar, além de velar a situação aos olhos de sua filha para que este período seja desfrutado o melhor possível, a mãe vai a beira da decadência visando o bem estar de sua descendente…assim como Guido mascarou a presença da sombra perversa do nazismo sobre o período da infância do seu filho em um campo de concentração nazista, suavizando as suas percepções naquele ambiente hostil…

    Curtir

    1. É uma comparação válida, ainda que eu tenha grandes restrições ao filme do Benigni (principalmente na maneira como ele usa o Holocausto para narrar uma fábula doce). O uso do ponto de vista infantil para dar uma perspectiva inusitada a temas dramáticos é bem comum no cinema (recentemente falamos sobre ‘Verão 1993’, que tem um ponto de partida diferente). O ‘A Vida é Bela’ tem essa semelhança, mas acho que o personagem do Benigni tem uma relação menos ‘de igual para igual’ com a criança… De qualquer maneira, é curiosa a lembrança (você poderia ter lembrado também de ‘Adeus, Lênin’, por exemplo, mas invertendo os papéis).

      Abraço!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s