EP 36: Ben-Hur | Francofonia | Quando as Luzes Se Apagam

As Bigas, o Louvre e o Medo do Escuro

Afinal, Cinema na Varanda é arte? Em uma edição que vai do circuitão ao circuitinho, os varandeiros Chico Fireman, Michel Simões e Tiago Faria batem um papo sobre a maneira como o público e a crítica classificam os filmes que chegam às nossas telas. Para começo de conversa, a nova adaptação de Ben-Hur. Estamos diante de um blockbuster com cara de filme B? Em seguida, o típico “filme de arte” (entre aspas!) Francofonia, de Aleksander Sokurov. E, para encerrar, nosso medo de escuro é colocado à prova no horror Quando as Luzes Se Apagam (1:02:49). Bom podcast!

METAVARANDA (média das notas dos filmes comentados pelo trio na edição):

Ben-Hur | Timur Bekmambetov | 33
Francofonia: Louvre Sob Ocupação | Aleksander Sokurov | 47
Quando as Luzes se Apagam | Lights Out | David F. Sandberg | 60

EXTRA

O curta que deu origem ao filme Quando as Luzes se Apagam:

Gravado no sábado, 19 de agosto, na varanda do Michel.

5 comentários sobre “EP 36: Ben-Hur | Francofonia | Quando as Luzes Se Apagam

  1. Varandeiros,

    Vou fazer um “breve” comentário sobre a fala de vocês.

    1) Cinema de Arte.

    Como toda classificação, desde da biológica, passando pela química e seguindo no mundo artístico, esta é apenas mais uma invenção dos Homo Sapiens. Provavelmente fruto de uma necessidade, sabe-se lá qual a razão, de enquadrar/normatizar as coisas que nos cercam.

    Contudo, o enquadramento não pode ser feito por qualquer pessoa.

    Quem legítima estes enquadramentos/espaços são as instituições (entenda-se associações de críticos, revistas especializadas, associação de diretores e outras coisas mais). São eles que produzem, dentro de uma ordem do discurso, o tal cinema de arte.

    2) Sobre Ben-Hur.

    Classifico o filme como fraco para regular.

    As atuações fraquíssimas dos protagonistas e um filme que não consegue produzir emoções fragiliza mais ainda o filme.

    Discordo sobre Santoro. Penso que ele está bem no papel de Jesus, mas é um personagem que não funciona em nada para o filme.

    Ao contrário, a presença de Jesus tira você da história de Ben-Hur (em determinado momento pensei que fosse começar A Paixão de Cristo).

    Em síntese, Ben-Hur é um tempo perdido no cinema.

    Curtir

  2. E ai varandeiros!
    Essa semana saiu a lista dos melhores filmes do século da BBC e fiquei curioso pra saber o que vocês acharam das escolhas. Quais são os melhores pra vocês?

    Abs!

    Curtir

Deixe uma resposta para cinemanavaranda Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s